Pular para o conteúdo principal

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa nenhuma. Tenho às mãos uma série de redemoinhos, peças deslocadas de um quebra cabeça ilógico, fatos que põem a prova o amor que eu acreditei sentir, sei lá, será? Nem você sabe, nem deveria. Uma série de nuvens pairam sobre o céu, afastem todas as metáforas de mim, é apenas um céu nublado indicando uma madrugada indecisa. Das tantas canções que embalam meu sono agitado, de todas acordo lembrando você. E o sabor de alho e óleo que aprendi a apreciar, junto às nossas cervejas em plena quarta feira. É divertido dançar com você. Mas deixa eu escolher a música, essas paredes apanharam demais pra tolerar frações desleixadas de um amor qualquer em busca do momento perfeito. É apenas divertido brincar com as possibilidades do seu texto, enquanto você franze a testa sem entender minhas metonímias e aliterações, meus parágrafos repletos de referências e reticências. Você faz que entende, todo desentendido, me tem, e se diverte com as verdades que criou pra si. Dou de ombros e sorriu pras estrelas escondidas entre aviões. Consegue ouvir? Eu não teria vocação para apenas mais uma foda, mesmo que nossas mensagens trocadas na alta madrugada apontem às avessas. Ainda que eu saiba onde você mora, entre rampas e florestas, e espreite a luz do seu apartamento dia sim, dia também. Caberia mais um perdão no texto, meras firulas linguísticas. Isso é o que o amor faz, encontra o erro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…